Em um fim de tarde qualquer

Eles estavam no pátio da escola, o garoto deitado no colo da garota como em todo dia desde 23 de março (data obviamente inesquecível para ambos), estudavam à tarde e estavam esperando que os viessem pegar, portanto o pátio se esvaziava cada vez mais e o sol estava se despedindo, o tornava a cena muito bonita, mas algo estava estranho, ele estava estranho, não a olhava no olho, como se estivesse evitando seu olhar, olhar este que ele sempre disse ser tão intenso e lindo, mas nunca dissera que o incomodava. Ela esperou, o conhecia a um bom tempo e sabia que ele não gostava de muitas perguntas, apenas as necessárias, e quando ele estava afim de conversar ele mesmo o fazia.
Passou-se um tempo, e ela o achou cada minuto mais esquisito, mesmo sabendo que não o agradaria ela perguntou baixo:
– Aconteceu alguma coisa, há algo de errado comigo?
– Não.
O silêncio pesou, mesmo com algumas adolescentes histéricas por perto. Ele suspirou e prosseguiu:
– Quando a gente começou não houve explicação, certo? Quero dizer, nós nos apaixonamos, nos aproximamos, e deu certo, mas nós não nos obrigamos a nos apaixonar, só.. aconteceu.
Ela não entendeu muito o rumo da conversa, mas assentiu com calma, não queria o interromper.
– Bom, tudo o que vivemos foi muito bom, mas da mesma forma que eu me apaixonei sem querer por você, o contrário aconteceu, quero dizer, da maneira que eu te conheci e sem explicação alguma te achei interessante, e passei a te amar de uns dias pra cá eu percebi que..
As lágrimas começaram a sair do rosto da garota, e ela o interrompeu:
– Você está querendo dizer que não me ama mais, não é?
Ele levantou do seu colo para que podesse olhá-la melhor, acaraciou seu rosto e disse:
– As coisas acontecem sem que tenhamos poder sobre elas, principalmente em questão de sentimentos, antes que pergunte eu não me apaixonei por outra,aquel eu simplesmente não sinto o que sentia antes, a vontade de te beijar, de estar com você. Também não quero que pense que fez algo errado, você é bonita, atraente, mas.. Eu não sei, aconteceu isso, eu não sei explicar muito bem.. Você merece alguém melhor, que te ame tanto quanto um dia eu já te amei. Não quero que fique triste, e, bom, eu não tive culpa, nem você.. Não pude fazer nada, quando percebi já tinha acontecido, eu já não sentia mais o mesmo.. Desculpa.
Deu-lhe um beijo no rosto e saiu, saiu sem intenção de voltar. Ela deitou no banco, aquele banco que já tinha presenciado muitas cenas de amor entre eles, e pensou em tudo o que diziam um pro outro, nas coisas que planejavam, e chorou, chorou como se todo o peso no mundo estivesse em cima dela, chorou ainda mais quando percebeu que nada podia fazer, ela não podia formatar o coração do amor da sua vida. Era impossível. A paixão acabou e ela nem sequer podia culpar alguém.

Anúncios

2 Comentários (+adicionar seu?)

  1. jujuh
    jan 30, 2011 @ 00:13:05

    Eu já te falei que eu ameeei esse post néh ? haha

  2. IasminMendes
    jan 30, 2011 @ 00:14:37

    Já sim, haha, obrigada.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: